top of page

Mulheres Empreendedoras Vintage: Superando Limitações e Criando seu Próprio Legado

Atualizado: 31 de jul. de 2023


As mulheres "vintage", profissionais mais experientes, trazem conhecimento, expertise e uma ampla rede de contatos, tornando-se protagonistas e contribuindo para o sucesso de seus empreendimentos.


mulheres de negócio


Do luto ao empreendedorismo: uma história de determinação e sucesso



Era o ano de 1930, cidade do Rio de Janeiro, um casal jovem e apaixonado vivia feliz ao lado de suas quatro filhas. O marido, um cavalariço do Jóquei Clube Brasileiro, tinha o prazer de oferecer o melhor para sua amada família. A rotina diária começava cedo para o marido, que saía com seus auxiliares para exercitar os cavalos em cavalgadas. Mas ele nunca poderia imaginar que essa atividade, pela qual tinha tanto amor, seria interrompida de forma cruel por uma grave doença: a gripe! Nesta época, o médico Carlos Chagas tinha acabado de ser nomeado para encabeçar a árdua tarefa de combater a influenza, ainda sem tratamento e com uma explosão de casos fatais no Brasil. E o que parecia apenas uma gripe, evoluiu para uma pneumonia, deixando a esposa viúva sem recursos para sustentar suas quatro filhas. Foi uma fase muito difícil para a mulher, que aos 29 anos, não sabia ler ou escrever e não tinha experiência em administração financeira. Com o apoio de amigos, ela conseguiu matricular as três filhas mais velhas em um internato para meninas órfãs, localizado no bairro de Botafogo e dirigido por freiras. E foi na adversidade que a viúva revelou sua habilidade especial na arte da culinária. Incentivada pelos amigos, começou a fornecer refeições para os auxiliares de seu falecido marido, assim como para os vizinhos do entorno. A notícia se espalhou rapidamente, e a Pensão de D. Elvira, no Jardim Botânico, ganhou fama através do popular marketing boca a boca. Conforme as filhas completavam 18 anos e deixavam o internato, estavam preparadas para ingressar no mercado de trabalho, sem imaginar que fariam parte de uma geração que testemunharia grandes transformações no pós-guerra. Suas filhas tornaram-se empreendedoras que quebraram barreiras e criaram seu próprio espaço no mercado de trabalho, seguindo o exemplo de coragem e determinação deixado por sua mãe. A história de D. Elvira e suas filhas é um exemplo feminino inspirador de superação, empreendedorismo e apoio mútuo. Elas provaram que, mesmo diante das maiores adversidades, é possível encontrar caminhos para o sucesso e construir uma vida plena e próspera.



A mulher empreendedora na década de 30


Na década de 1930, era um desafio uma mulher empreender diante das muitas barreiras sociais e culturais da época. As restrições e estereótipos que limitavam o papel da mulher na sociedade e suas opções profissionais. Para as mulheres eram reservadas as tarefas domésticas e o cuidado da família, sendo menos valorizadas e reconhecidas em suas habilidades empreendedoras. Muitas mulheres que trabalhavam ‘fora’ eram solicitadas por seus noivos para que, após o casamento, deixassem seus empregos e se dedicassem exclusivamente ao cuidado do lar.


Do mesmo modo, o acesso a recursos financeiros e oportunidades de educação e formação profissional também era limitado para as mulheres, o que promovia uma falta de autonomia e independência financeira, e dificultava o início e a manutenção de empreendimentos próprios. Além disso, havia preconceitos arraigados que desencorajavam a participação feminina em setores considerados "masculinos" ou de maior prestígio.


Apesar desses obstáculos, algumas mulheres da época foram corajosas e determinadas para encontrar maneiras de empreender e superar as limitações impostas pela sociedade. Elas buscavam oportunidades em setores mais acessíveis, como a prestação de serviços domésticos, artesanato, comércio de alimentos caseiros, entre outros. Essas empreendedoras enfrentavam dificuldades, mas com perseverança e habilidades desenvolvidas, conseguiram construir negócios bem-sucedidos.


A história de D. Elvira é um desses exemplos inspiradores para a atual geração adolescente vintage. Assim como ela encontrou oportunidades no empreendedorismo culinário, hoje em dia, é possível presenciar transformações significativas no mercado de trabalho e no campo do empreendedorismo.


Empreendimento feminino a partir dos anos 50


Entre as décadas de 1930 e 1960, começa a ocorrer a flexibilização das normas sociais. A conquista do voto feminino em 1934, por meio dos esforços das ativistas feministas, representa um marco histórico para a busca da igualdade de gênero no Brasil. Porém, em 1937, o Estado Novo impõe um período de repressão que afeta homens e mulheres. Apesar das adversidades, o movimento feminista manteve-se ativo, e a partir de 1950, com o processo de redemocratização, a mulher conquistou importantes avanços, incluindo a quebra da terrível exigência que impedia muitas mulheres de ter acesso ao mercado de trabalho: a autorização do marido para este fim.


Mas mesmo assim, as mulheres brasileiras ainda enfrentavam diversos desafios em relação ao empreendedorismo, especialmente quando comparado ao cenário atual. Ainda era esperado que elas se dedicassem ao papel de donas de casa e cuidadoras dos filhos, em vez de se aventurarem no mundo dos negócios.


Porém, as mulheres empreendiam ao abrir pequenos negócios locais, como mercearias, padarias, salões de beleza, ateliês de costura ou lojas de roupas. Outras se destacavam no mundo das artes e design, criando seus próprios estúdios ou galerias. Algumas, como D. Elvira, arriscavam-se a abrir restaurantes, lanchonetes, confeitarias ou outros serviços da indústria alimentícia. Outras trabalhavam com vendas diretas de utensílios domésticos ou cosméticos, percorrendo de porta em porta para oferecer seus produtos, trazendo à memória o famoso comercial "Dim Dom, Dim Dom, Avon chama".


Não podemos deixar de lembrar das mulheres na área de educação e cuidados, especialmente das várias professoras advindas do curso "Normal" no Brasil. Curso específico para o magistério que foi criado no século XIX e perdurou até meados do século XX. As Escolas Normais, instituições específicas para formar professoras primárias, eram frequentadas exclusivamente por mulheres, tendo a responsabilidade de capacitá-las para a prática docente.


E quanto às atrizes, pioneiras na busca pela liberdade de expressão feminina. Nomes como Fernanda Montenegro, Nathalia Timberg, Eva Wilma, Tônia Carrero, Cacilda Becker e a incrível Dercy Gonçalves, esta última que iniciou sua carreira artística no teatro de revista nas décadas de 1920 e 1930, ficaram conhecidas por seus talentos únicos e marcantes. Dercy Gonçalves, em especial, destacou-se por seu humor irreverente e linguagem direta, rompendo tabus para sua época e deixando um legado importante para a comédia brasileira.


Mulheres que, superando os preconceitos e expectativas tradicionais de gênero, abriram caminho para as futuras gerações, demonstrando a força e a capacidade das mulheres para serem empreendedoras e líderes nos negócios.


Empreendedoras famosas que iniciaram nos anos 50 e influenciam o mundo atual


As décadas de 1950 foram marcadas pelo surgimento de empreendedoras visionárias que deixaram um legado duradouro no mundo dos negócios e influenciaram a sociedade de maneira significativa. Neste texto, conheceremos algumas das empreendedoras famosas que iniciaram suas trajetórias nessa época e continuam a inspirar o mundo atual com suas histórias extraordinárias de sucesso e inovação.

Estée Lauder: Nascida em Nova York, Estée Lauder (nascida Josephine Esther Mentzer) teve uma jornada empreendedora extraordinária. Desde jovem, ela demonstrou interesse em produtos de beleza e perfumes, e, com o apoio de seu marido, Joseph Lauder, começou a vender cremes para a pele que ela mesma desenvolvia. Em 1946, fundou a Estée Lauder Companies, focada na criação e distribuição de produtos de beleza de alta qualidade. A marca rapidamente ganhou destaque internacional, expandindo-se para diversos países e tornando-se sinônimo de luxo e elegância.


Coco Chanel: Gabrielle Bonheur Chanel, mais conhecida como Coco Chanel, nasceu na França em 1883. Ela foi uma das mais influentes estilistas da história da moda. Inovadora e destemida, Chanel quebrou padrões da época ao criar roupas mais confortáveis e funcionais para as mulheres, libertando-as dos corsets e adornos exagerados. Sua marca, Chanel, lançou peças icônicas como o "Little Black Dress" e o famoso perfume Chanel No. 5. Seu legado perdura até hoje, e a marca continua sendo um símbolo de sofisticação e estilo atemporal.


Mary Kay Ash: Nascida em 1918, Mary Kay Ash foi uma empreendedora visionária do setor de cosméticos. Após anos de trabalho em vendas diretas, ela fundou a Mary Kay Cosmetics em 1963. Mary Kay criou uma cultura única de reconhecimento e incentivo para suas consultoras de beleza, oferecendo a elas oportunidades para alcançarem o sucesso e a independência financeira. A empresa cresceu exponencialmente ao longo dos anos e hoje é uma das maiores empresas de vendas diretas do mundo.


Oprah Winfrey: Nascida em 1954, começou sua carreira como apresentadora de televisão, ganhando fama com o talk show "The Oprah Winfrey Show". Como empreendedora, fundou a Harpo Productions, uma empresa de mídia produtora de filmes, programas de televisão e conteúdo digital. Sua marca pessoal e sua capacidade de conectar-se com o público impulsionaram seu sucesso nos negócios.


Rachel Ashwell: Britânica de nascimento, Rachel Ashwell tornou-se uma empreendedora de sucesso no mundo da decoração e do design de interiores. Ela é conhecida por popularizar o estilo "Shabby Chic", que combina elementos românticos, vintage e desgastados. Em 1989, Rachel abriu a primeira loja "Shabby Chic" em Santa Monica, Califórnia, e desde então sua marca se expandiu globalmente. Seu estilo distintivo e autêntico conquistou uma base fiel de seguidores e influenciou a estética do design de interiores por décadas.


uma mulher vintage

E também não podemos deixar de ressaltar Iris Apfel, que se auto intitula "a mais velha adolescente viva" e uma das mulheres mais icônicas da indústria da moda e do design. Nascida em 29 de agosto de 1921, em Nova York, ela se tornou conhecida por sua ousadia, estilo único e atitude destemida. Embora seu reconhecimento e fama tenham ocorrido a partir dos anos 2000, Iris iniciou sua carreira de empreendedora na década de 50, quando, junto com seu marido, Carl Apfel, fundou a empresa de têxteis e design de interiores chamada "Old World Weavers", fornecendo tecidos exclusivos para projetos de alto padrão em todo o mundo. Iris chamou a atenção do mundo da moda ao misturar peças vintage com roupas de grife, destacando-se por sua irreverência e senso único de estilo, cuja originalidade foi tema de uma exposição no Metropolitan Museum of Art em Nova York, intitulada "Rara Avis: The Irreverent Iris Apfel" (Rara Avis: A Irreverente Iris Apfel). Iris Apfel é uma verdadeira inspiração para pessoas de todas as idades, demonstrando que a criatividade e a autenticidade não têm limites, e que é possível empreender e deixar sua marca única no mundo da moda e além.


E as Mulheres Vintage no Empreendedorismo Atual?


Diferentemente das gerações anteriores, que muitas vezes se aposentavam e se afastavam do mercado de trabalho, a geração atual enxerga novas oportunidades para criar seus próprios negócios e empreendimentos. Com o avanço da tecnologia e o fácil acesso à informação, é perfeitamente possível iniciar uma carreira empreendedora em áreas que antes pareciam inalcançáveis, mesmo após a aposentadoria (seja esta "do lar" ou "do trabalho").


No mundo atual, as possibilidades para o empreendedorismo feminino são vastas e oferecem uma série de oportunidades para mulheres de todas as idades. O cenário empreendedor tem se tornado cada vez mais inclusivo e diversificado, proporcionando um ambiente propício para as mulheres que desejam iniciar e desenvolver seus próprios negócios. E as mudanças tecnológicas têm aberto portas para novos setores de mercado, além da demanda por serviços personalizados, consultorias especializadas e produtos exclusivos, o que tem impulsionado o empreendedorismo da ousadia vintage. Mulheres profissionais mais experientes trazem consigo conhecimento, expertise e uma ampla rede de contatos, fatores que contribuem para o sucesso de seus empreendimentos.


Não importa a idade, o empreendedorismo oferece oportunidades significativas para todas as mulheres, mas em especial para aquelas cuja experiência profissional e habilidades foram desenvolvidas ao longo dos anos. As mulheres vintage tornam-se uma fonte valiosa de conhecimento e expertise, pois podem agregar perspectivas diversas e um conjunto único de habilidades para o mercado.


A importância das mulheres com mais de 55 anos no empreendedorismo é evidente, pois elas trazem consigo resiliência, sabedoria, maturidade e uma visão de longo prazo, características valiosas para o sucesso de qualquer negócio. Além disso, o empreendedorismo nessa faixa etária possibilita a independência financeira, a reinvenção pessoal e profissional, além de combater estereótipos sobre a idade e gênero no mundo dos negócios.


Incentivar e apoiar o empreendedorismo feminino, especialmente para mulheres mais experientes, é fundamental para promover a igualdade de oportunidades, o crescimento econômico e a diversidade no mercado de trabalho. Mulheres com mais de 55 anos têm muito a oferecer ao mundo dos negócios, e sua participação ativa no empreendedorismo é essencial para uma sociedade mais inclusiva, dinâmica e próspera.


Algumas das possibilidades para o empreendimento feminino no mundo atual incluem:


Empreendedorismo digital: O mundo digital oferece inúmeras oportunidades para mulheres de todas as idades, permitindo a criação de negócios online, como e-commerce, serviços digitais, blogs, marketing de conteúdo, entre outros.


Artes e artesanato: O mercado de artesanato e produtos criativos é outro espaço que valoriza a originalidade e a qualidade, permitindo que mulheres criativas transformem suas habilidades em empreendimentos lucrativos.


Empreendedorismo social: Muitas mulheres têm uma visão mais ampla e preocupação com questões sociais e ambientais. O empreendedorismo social permite que elas criem negócios com impacto positivo na comunidade e no meio ambiente.


Setor de bem-estar e saúde: Com o crescente interesse em bem-estar e saúde, oportunidades surgem no setor de fitness, alimentação saudável, terapias alternativas e cuidados para idosos.


Consultorias e mentorias: Mulheres com vasta experiência profissional podem oferecer seus conhecimentos como consultoras ou mentoras, auxiliando outras empreendedoras ou empresas em suas jornadas.


🌟 Gostou desse 'post'? Deixe sua avaliação e seu comentário logo abaixo! Se conhece alguém que pode se inspirar com nosso conteúdo, não deixe de compartilhar! 🚀

62 visualizações2 comentários

2 Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
Rated 5 out of 5 stars.

Fantástico esse conteúdo, simplesmente apaixonante e muito inspirador 👏🏼👏🏼👏🏼👏🏼😍

Like
Eliane Ramin
Eliane Ramin
Jul 31, 2023
Replying to

Obrigada, Sandra! Beijinhos❤️

Like
bottom of page